A quarta e última forma normal é focada em eliminar dependências multivariadas entre os atributos chave, isto é, se há mais atributos (além das chaves primárias ou estrangeiras) que se repetem na tabela. Se isso ocorrer, geramos novas tabelas para eliminar tal redundância e manter as relações entre os atributos. Mediante a decomposição das relações presentes no banco de dados, este processo busca anomalias, isto é, repetições e redundâncias entre os dados. Ao identificar anomalias, o conjunto de regras da normalização tentará eliminá-las e redefinir as relações afetadas, para que tudo se encaixe em seu devido lugar depois das alterações. A normalização é focada na prevenção de problemas com repetição e atualização de dados, assim como o cuidado com a integridade dos dados. Este conceito foi apresentado originalmente em um artigo científico publicado pela IBM de autoria do matemático Edgar F. Codd, intitulado “Um modelo de dados relacionais para grandes bancos de dados compartilhados” (1970).

Além disso, as tabelas devem conter a chave primária como nula, para efeitos de identificação e relação entre dados e tabelas. Seguindo o conceito de padronização, temos estas regras estruturadas e agrupadas em três níveis que são utilizadas para ajudar as tabelas do banco de dados. Estes grupos são denominados formas normais e neste artigo serão apresentadas quatro formas que são utilizadas. Cada forma normal segue requisitos da forma anterior, ou seja, se mantém uma herança de requisitos, com exceção da primeira forma que não possui uma antecessora.

Normalização de Dados: Como Organizar Seu Banco de Dados Eficientemente

Além disso, bancos de dados normalizados além do necessário podem ter desempenho ruim e/ou complexidade excessiva, precisando então de alguma desnormalização. A normalização de dados curso de analista de dados é uma ferramenta poderosa na otimização de bancos de dados. Ela não apenas ajuda a economizar espaço e recursos, mas também facilita a manutenção e a integridade dos dados.

Em alguns casos, pode ser necessário denormalizar partes do banco de dados para melhorar a performance em consultas específicas. Antes de começar a normalizar um banco de dados, é importante ter uma estratégia clara em mente. Isso significa entender quais são as necessidades do sistema e do usuário, quais dados devem ser armazenados, como eles serão usados e quais são as relações entre eles.

Banco de Dados descomplicado: Resumo de normalização ou formas normais.

Por outro lado, ao atingir um determinado nível de forma normal, significa que todos os demais níveis abaixo foram cumpridos. Forma normal, isso indica que ele também está automaticamente na 2ª. Formas normais (pense https://surgiu.com.br/2024/02/17/curso-de-analista-de-dados-como-bootcamp-da-tripleten-prepara-voce-para-o-mercado/ em uma escada que ficará mais fácil entender). Vamos apresentar neste e nos próximos artigos vários resumos de conteúdos de TI gratuitos, elaborados com exclusividade para o Blog do Estratégia Concursos.

Suponha que o nosso modelo armazenasse também os dados dos alunos, com seu nome e data de nascimento. Com a data de nascimento em mãos, é possível calcular a idade, concorda? Entretanto, não seria correto armazená-la nesta mesma tabela. Criamos os atributos cidade e estado, porque estas informações estavam em um único atributo, sendo que é mais útil ter essas informações separadas, para filtrar os dados por exemplo. O objetivo é dividir as informações em estruturas lógicas coesas e independentes, evitando a repetição desnecessária de dados e garantindo a integridade dos mesmos.

Tipos de normalização de dados

A normalização de bancos de dados é um processo que consiste em organizar as tabelas e os atributos em um banco de dados relacional de forma a eliminar redundâncias e anomalias funcionais. A normalização de dados é um processo sistematizado para minimizar a duplicação de dados em um banco de dados relacional. Através da aplicação de regras, conhecidas como formas normais, os dados são organizados em tabelas de maneira a promover a integridade e reduzir a redundância.

Como explicamos anteriormente, a primeira tabela ilustra os dados dos professores. A segunda tabela é um pouco mais simples, armazena as disciplinas. Por último, a terceira tabela contém as aulas, incluindo os professores e as disciplinas ministradas. As remunerações são variáveis de acordo com o número de aulas ministradas no mês. Por este motivo, o valor depende do período e do professor. Com isso podemos afirmar que nossa tabela está de acordo com a Primeira Forma Normal (1FN).